Servos cheios de Graça…

Como é que entendemos esta frase?
Será que nosso conceito de Graça está em conformidade com o conceito bíblico, o conceito que Deus estabelece para Graça?

Será que o conselho que Paulo recebera de Deus, seria por nós entendido e aceito de bom grado?

“E disse-me Deus: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo”. 2ª Coríntios 12:9

Biblicamente sabemos que Graça significa um favor, que se dispensa ou se recebe. Favor que os homens não merecem, mas que Deus livremente lhes concede.

O nosso Deus é um Deus cheio de Graça, e como Deus, ele se dispõe a derramar Graça sobre seus servos. Foi assim desde o início da humanidade.

“Noé, porém, achou graça aos olhos do SENHOR”. Gênesis 6:8

Ainda que a Graça divina se manifestasse desde os primeiros tempos, foi através de Jesus Cristo que essa Graça superabundou e habitou de forma plena a vida dos servos de Deus.

“E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade”. João 1:14

“Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo”. João 1:17

Desde a época da igreja primitiva, as pessoas que ouviam as boas novas do evangelho, eram encorajadas a perseverarem na Fé e na Graça do Senhor Jesus.

“E, despedida a sinagoga, muitos dos judeus e dos prosélitos religiosos seguiram Paulo e Barnabé; os quais, falando-lhes, os exortavam a que permanecessem na graça de Deus”. Atos 13:43

A Graça divina é a base para sermos abençoados, por ser um Deus de Graça é que Ele nos abençoa e fortalece. Se hoje podemos nos considerar servos de Jesus, é porque somos revestidos de Graça pelo próprio Senhor.

Paulo foi o servo que foi, porque era revestido pela Graça divina.
Através da Graça, Paulo era revestido de poder em suas fraquezas, assim sendo, podia suportar as lutas do ministério, as dores dos açoites, o terror do naufrágio, o tempo na prisão, etc.

Nos dias de hoje, assim como Paulo, enfrentamos os desafios e perigos que se apresentam diariamente perante nós, momentos em que somos tentados a abandonar o propósito de servir ao Senhor, tentados a lamentar e até blasfemar contra o Deus da Graça.

Mas é importante lembrar do conselho que Paulo ouviu do Senhor:

“A minha Graça te basta…”2ª Coríntios 12:9

É importante lembrar de que Paulo foi o servo que foi por causa da Graça que foi derramada sobre sua vida.

“Mas pela graça de Deus sou o que sou; e a sua graça para comigo não foi vã, antes trabalhei muito mais do que todos eles; todavia não eu, mas a graça de Deus, que está comigo”. 1ª Coríntios 15:10

Somente poderemos entender o que é ser revestido pela Graça de Deus, quando realmente consagrarmos nossas vidas ao serviço de Deus, quando estivermos dispostos a abrirmos mão da nossa vida para glorificarmos ao nome de Jesus Cristo.

Se assim fizermos, a Graça de Deus há de se multiplicar em nós e em todos os que nos rodeiam. A Igreja de Cristo será uma Igreja cheia de Graça, e cairá na graça do povo, quando os seus servos forem revestidos pela Graça divina.

É importante saber que faz parte da Graça Divina o padecer por Cristo, e isto Paulo entendeu perfeitamente. Será que entendemos e aceitamos o padecer por amor a Cristo, por amor ao Evangelho, por amor à Igreja de Cristo, como sendo um tempo de Graça sobre nossas vidas?

Paulo exorta aos crentes, assim como ele, a padecerem por Cristo:

“Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele, Tendo o mesmo combate que já em mim tendes visto e agora ouvis estar em mim”. Filipenses 1:29,30

Este é o desejo de Deus para os seus servos:

“Porque tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de Deus”. 2ª Coríntios 4:15

Este era o desejo e a oração de Paulo:

“A graça do SENHOR Jesus Cristo seja convosco”. 1ª Coríntios 16:23

Que este seja o nosso desejo também!

Amem!


About this entry